top of page

APRENDENDO ESTRATÉGIA DE GUERRA COM LULA

Prezados (as),


Lula sabe. As forças da elite são muito mais poderosas, contam com toda a superestrutura a seu favor: Os poderes de Estado, a mídia, as instituições religiosas, a cultura, a educação, as ingerências geopolíticas e geoeconômicas e muito mais. E sabe que a estratégia da elite é, também, muito mais astuta; ela sabe dividir e recrutar grandes segmentos das nossas próprias fileiras. Multidões da classe média vestem a roupa alugada da elite, como se fosse própria. E essa estratégia da elite é muito mais ardilosa ainda. Ela infiltra-se e recruta grandes segmentos da própria população trabalhadora via controle de suas mentes. Usa um vírus invisível, não detectável aos microscópios, mas os sintomas gerados são indiscutíveis e destruidores: A identidade da elite foi resgatada para si; a alteridade popular, ao lixo, lançada.


Diante desse cenário, Lula sabe: Enfrentar o poder bélico e estratégico dessa elite, frente a frente, e no campo de batalha dela, é ser decapitado no primeiro embate, e renegado em praça pública. Por isso, Lula pratica a estratégia reversa da própria elite e possui reputação e habilidades para isso. Infiltrar-se nas suas fileiras, dividi-las, recruta-las ou, pelo menos, neutraliza-las. Quanto à luta depois, a da governabilidade, Lula sabe que será ainda mais difícil, mas já conta com grande vantagem: Com o inimigo dividido e no nosso campo de batalha.


Povo na rua é importante sim, mas com grandes multidões engrossadas por tal estratégia. Caso contrário, povo na rua não passará de algumas bandeiras hasteadas e alguns berros desesperados. Utopias costumam nos inebriar, mas podem destruir realidades exequíveis.


Para gáudio da própria elite.


César Cantu

São Paulo, 05.02.2022

164 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


bottom of page