top of page

Editorial da EngD | Zé Celso eternamente vivo e presente!!




Sua rebeldia vulcânica, representação da vivacidade e da argúcia fina do senso popular brasileiro, apontou sempre para a grandeza de nossas tarefas.


Das entranhas da história e de seus personagens épicos, buscava a compreensão de sua caminhada no presente. Como Cacilda Becker, farol para ele, dirigia a palavra como se estivesse no seio de uma assembleia.


No século 21, traduziu e transformou a senha dos Sertões de Antônio Conselheiro. A síntese autoritária, sangrenta e excludente da república nascente estava toda lá. Estampada a céu aberto no seio da caatinga.


Cantou a liberdade, a indignação, a esperança. Formou gerações com o abraço do amor e da alegria. Sabia que a cultura é a grande arma para enfrentar as incertezas e a escuridão.


Foi um revolucionário da vida e da paixão. Intérprete da chama crepuscular do novo, da inovação e da alma humana.


Tinha uma radical consciência de que era preciso avançar e que valiam a pena os sacrifícios. Seu olhar instigante e seus gestos ágeis nos abraçam com calor e paz.


A engenharia, a ciência, a tecnologia – integrantes da coluna vertebral da cultura brasileira – se irmanam a todos neste momento da homenagem a este eterno animador da vida e da coragem.

76 visualizações

Comments


bottom of page